Agenda de Eventos Feministas em Portugal

waves

ūüēĮ Viseu | Vig√≠lia | 25 Nov | Elimina√ß√£o Da Viol√™ncia Contra As Mulheres

Vigília pelas Mulheres Mortas em Contexto de Violência de Género em Portugal

Rua Dom António Alves Martins - Junto à PSP

:: Programa
17h30 Construção da peça de homenagem
18h Vigília (com microfone aberto)

--
O Dia Internacional pela Elimina√ß√£o da Viol√™ncia contra as Mulheres surgiu para n√£o esquecer o assassinato das irm√£s Mirabal ‚Äď las Mariposas ‚Äď vitimas da ditadura de Trujillo (Rep√ļblica Dominicana). Foi decretado em 1999 pela ONU.

S√£o as mulheres que representam a larga maioria das v√≠timas de viol√™ncia dom√©stica, sexual e das mortes em contexto de viol√™ncia na intimidade. Se em 2018 foram mortas 28 mulheres, em 2019 os n√ļmeros n√£o melhoraram. S√£o as mulheres que est√£o mais sujeitas a viol√™ncia em contexto de cat√°strofes e guerra. S√£o as mulheres a moeda de troca, o objeto de recompensa ou vingan√ßa.

Somos objetificadas e sexualizadas constantemente por uma sociedade de consumo que nos explora para agradar, entreter e vender, contribuindo para uma ideia massificada de apropriação da mulher e o do seu corpo.

Na escola, as mulheres s√£o constantemente confrontadas com convic√ß√Ķes de desvaloriza√ß√£o em √°reas cient√≠ficas e de lideran√ßa, s√£o mais sujeitas a ass√©dio, e tantas vezes desmotivadas pelas pr√≥prias institui√ß√Ķes de ensino, principalmente tratando-se de minorias. Precisamos de uma educa√ß√£o que valorize as mulheres, que nos conte tamb√©m a nossa hist√≥ria, que nos represente, seja promotora do empoderamento feminino e desincentive a masculinidade t√≥xica. Que ensine a igualdade.

Precisamos de leis que valorizem e protejam as mulheres em risco e, toda a gente que as executa ou julga consciente do seu papel. Na sa√ļde, continuamos a ver os nossos direitos subjugados a um entender cient√≠fico que n√£o nos respeita nem no momento em que damos vida √† produ√ß√£o e continuamos a pagar para aceder produtos b√°sicos de sa√ļde. √Č imposs√≠vel a defesa de uma igualdade entre mulheres e homens, quando √© cobrado ao sexo que, devido a ideias preconcebidas, j√° se encontra tendencialmente em situa√ß√Ķes financeiras mais vulner√°veis, uma taxa sobre o que lhe √© intr√≠nseco e natural! 1 em cada 5 mulheres √© pobre. 1 em cada 3 trabalha em part-time. Temos mais empregos prec√°rios, com baixos sal√°rios. Recebemos em m√©dia menos 16.7% de rendimento mensal base e a m√©dia sobe quando falamos de desigualdades nos pr√©mios e comiss√Ķes. Alcan√ßamos mais dificilmente cargos de poder, sofremos maior n√ļmero de ass√©dio moral e sexual no per√≠odo laboral, somos expostas a maior desemprego, dificuldades de contrata√ß√£o e posi√ß√Ķes com sal√°rios mais baixos, com consequ√™ncia de pobreza e depend√™ncia financeira mais prov√°vel.

Somos as que, tendencialmente, cuidamos das pessoas próximas com necessidades de cuidados permanentes, abdicando muitas vezes de um plano pessoal lucrativo por um emprego que ainda não é valorizado como tal. E quando não somos cuidadoras informais, continuamos a trabalhar em tarefas não remuneradas em média mais 1h45m.

Enfrentaremos sempre a viol√™ncia baseada no g√©nero e justificada em cren√ßas machistas e preconceituosas sobre  ser mulher e qual o seu papel. At√© ao fim do patriarcado!

Links:
Sabes de algum evento feminista e gostavas de que aparecesse em feminista.pt?
Envia-nos um email com toda a informação para:
eventos@feminista.pt
ícone feminista.pt