Agenda de Eventos Feministas em Portugal

waves

Exposição “Influences” de Cidàlia Alves

A MUXIMA GALLERY acolhe, a partir do dia 20 de Novembro, a série fotográfica “Influences” da artista visual luso-francesa Cidàlia Alves, que apresenta um conjunto de obras que procuram ecoar a arte da pintora portuguesa Helena Vieira da Silva.

O trabalho de Vieira da Silva, uma das artistas abstractas mais celebradas na Europa do pós-guerra, integra o universo de referências de Cidália Alves. As fotografias de Cidàlia Alves foram captadas no Museu Arpad Szenes – Vieira da Silva, em Lisboa, na tentativa de partir daquele espaço com uma lembrança e com o registo do “tempo que passa e nunca pára” porque, para a fotógrafa, “esta série é apenas um reflexo de um desejo de nunca esquecer”. 

Partindo de um lugar de melancolia onde questionou as fronteiras entre a fotografia e a pintura, sendo a técnica mista transversal à sua obra, Cidàlia Alves chegou a um corpo de trabalho concentrado em imagens gráficas e jogo de contrastes e de luz. A fotógrafa recorre à sua lente para congelar o tempo, os momentos e as emoções, brincando com os conceitos de efémero e eterno.

A exposição “Influences” – que já passou pela Gallery Art.C, em Paris, estará patente na Muxima Gallery até ao dia 02 de Janeiro de 2020. Saiba mais sobre este trabalho em http://www.cidaliaalves.com/influences/.

“INFLUENCES”

O tempo passa e nunca pára; um segundo antes prejudica todo passo de trás para a frente. No entanto, nesta série “Influences”, Cidàlia Alves consegue captar com doçura e melancolia esse tempo em movimento. Pare na luz, é assim que esta série de fotografias pode ser descrita simplesmente. Mas é mais do que isso; as molduras iluminadas e transparentes são uma homenagem à artista Vieira da Silva, cujo eco da sua arte se reflete aqui. Assim, as peças do seu museu em Lisboa transformam-se num ponto de encontro entre a luz dançante e os cliques da câmara de Cidàlia Alves. Mas esta série é apenas um reflexo de um desejo de não esquecer. Parar no instante, todas essas imagens são a recordação do tempo decorrido. Multiplicar as fotografias ao ritmo dos segundos perdidos impede que caiam no esquecimento. Em criança, a artista teve que enfrentar a corrida frenética da divisão com o seu país, a sua linguagem, o seu familiar. Assim, o efémero torna-se tangível, está ancorado nas nossas retinas, proliferando ao ritmo da luz que surge sobre ele. É necessário multiplicar para fornecer, para preencher o nada com a abundância para nunca esquecer. “Influences” é o efêmero de uma luz que chama para capturar o momento. É necessário ser tocado pelo mosaico de um mesmo momento, porque se enfrenta a desconstrução das linhas, mas especialmente da época. Tudo é apenas uma questão de luz que preenche a curva do tempo que se desgasta. Assim, esses mosaicos fragmentados tornam-se o labirinto dos nossos olhos que vive novamente e novamente esse momento recomposto.

https://www.muximagallery.com/

Links:

Organização:

MUXIMA Gallery

Logo MUXIMA Gallery
Sabes de algum evento feminista e gostavas de que aparecesse em feminista.pt?
Envia-nos um email com toda a informação para:
eventos@feminista.pt
ícone feminista.pt